Arquivo | Uncategorized RSS feed for this section
30 Ago

 
No fundo é isto mesmo que importa. Fazer o luto, esperar, desesperar, encontrarmo-nos. Mas não nos servirmos de ninguém para aliviar as mágoas pelo caminho. Por muito tentador que seja. Por muito enganador que seja. Tapar os olhos e a ferida.
Custa? sim, claro. Mas é a coisa correcta. Sem bengalas. Sem rede.
Nós e o que sentimos. Para poder seguir em frente. Custou mas sinto-me mais leve.
Continuo em busca do meu caminho, e até de mim, mas acredito que agora estou no bom caminho.

Mais

28 Jul

Desde pequena que me lembro de ter tido sempre a sensação que havia mais. Simplesmente mais do que aquilo que via, que sentia, que cheirava. Mais.
Por aí. Algures. À minha espera.
Fui crescendo e a sensação nunca se desvaneceu. Esta ânsia de nem-sei-bem-o-quê perpetuou-se, e mesmo nas minhas relações tenho a distinta sensação de haver sempre aquela vaga sensação de “isto não é tudo o que há”, de eventualmente poder encontrar algo que me completasse mais, me fizesse sentir mais, viver mais, qualquer coisa – ou tudo – mais.
E às vezes pergunto-me se é essa ânsia de mais, essa pseudo-certeza irritante de que esse mais anda por aí, que vai ser responsável por nunca encontrar nem o mais, nem o menos.
Porque no fim do dia, no silêncio da casa, esse mais que não existe às vezes pesa. E a subtil mas esmagadora diferença entre “alone” e “lonely” torna-se palpável, de tanto que ocupa espaço no vazio.

30 Maio

Gostava de te tirar uma fotografia – diz ele

Não quero ver a tristeza nos meus olhos – pensa ela

22 Mar

Eis um regresso que não pensei que fosse acontecer.

Mas, um ano depois, o impossível acontece e o meu mundo volta a ruir. Mais um engano, um ano que passou, e novamente sozinha.
E subitamente, o medo-certeza de que isto pode ser o que me espera. Percorrer esta vida sozinha, numa casa grande demais, onde a companhia tem 4 patas. E se há alturas em que essa perspectiva pode não ser propriamente um problema, hoje é um drama. Que me arranca lágrimas e pedaços. E um enorme “porquê?”. Hoje é o dia em que não acredito em finais felizes. E não por ser a vilã, mas por ironias estúpidas do destino que teimam em tirar-me o chão, no momento em que mais acredito que posso ter essa possibilidade.
Dói. Na proporção do que acreditei, do que confiei. Mais do que alguma vez tinha feito. Mais do que alguma vez doeu.
Custa tanto ver novamente o olhar sem luz. Novamente.

De novo

23 Abr

… No aeroporto, contemplo as horas e a saudade.
Sim, a saudade que já surge antes mesmo de partir. Mais forte, mais aguda, a toldar o entusiasmo que habitualmente me toma à ideia de saltar para dentro de um avião rumo a… Seja onde for!

Vem comigo!

Sehnsucht

7 Abr

20140407-141416.jpg

Nunca uma viagem foi tão agridoce.
De um lado, o prazer que tiro de rumar a novas paragens, aprender novas coisas, conhecer novos locais, detalhes, culturas…
De outro, a saudade imensa, o peso da distância, tão difícil de colmatar. E isto é uma novidade. Sempre lidei bem com estas distâncias, estes tempos. Desde que comecei a trabalhar que frequentemente viajo em formação. Em alguns casos, é até por períodos mais prolongados, e nem com o CN nem com o E senti esta falta, esta sensação de ter deixado um pedaço de mim para trás.
É novo para mim lidar com esta versão de viagem – adoro sair, conhecer, aprender… E odeio ao mesmo tempo a falta, a sensação de pedaço em falta. >

Arejar

17 Mar

O tempo tem sido mais que escasso… Quase inexistente.

Entre trabalho, algum lazer e a busca pelo meu canto, a maquina fotográfica acumula pó e o portátil nunca passou tanto tempo desligado. O pouco tempo que sobra tem sido para os essenciais.

Mas este fim‑de‑semana tirei tempo para ir passear. Em boa companhia. Mesmo que não seja toda a que queria. Ou toda a que costumava ser.
Soube bem. Paisagens lindas e sol a brilhar. Conversas, risos e fotografias. Rádios locais e mais gargalhadas. Kilometros e saudades e problemas de rede e wifi. E soube tão bem. Não digo que venho de baterias recarregadas, já que começo a semana podre de sono, mas venho de coração cheio, olhos regalados e pele que já matou saudades de sentir sol.

Boa semana!!

20140317-113127.jpg

20140317-113151.jpg

20140317-113221.jpg

20140317-113235.jpg

20140317-113248.jpg

onde ninguém

me (h)ouve

Cafés no Páteo

Os pensamentos, a ema, as viagens, o desporto, a horta e o que mais couber...

30 e picos, 40 e tal

e assim sucessivamente

KNITS FOR LIFE

Lorna and Jill Watt.

Inesperado

Doses semanais de esperança, humor e reflexão para os apaixonados pela vida.

Sol de Dezembro

December Sun

{ Feminina & Compulsiva }

por Karol Oliveira

textsinthedark

4 out of 5 dentists recommend this WordPress.com site

Mei(a)vulsa,

agora com animais, porque eu sou no sense! ;)

The Rooted Traveller

Ghezal's World Adventures & Stories

Highest Form of Whit

Bigger. Bolder. Bloggier.*

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.